1. Cultura
  2. Sociedade

Escravidão, história e o erro dos atuais líderes intelectuais negros

20 de novembro de 2017 - 19:20:21

Quando pela primeira vez um europeu comprou um escravo na África, já fazia um milênio que os habitantes daquele continente eram aprisionados, escravizados, vendidos e capados pelos muçulmanos, e dois milênios pelas próprias tribos e nações negras. Durante todo esse período, jamais se revoltaram em massa e não consta sequer que a idéia de abolir a escravatura tenha passado pelas cabeças, seja dos senhores, seja dos próprios escravos. Trazidos para o Ocidente, ao fim de dois ou três séculos estavam todos libertos e a noção mesma da escravidão condenada como crime hediondo. Não mostram nenhum ressentimento contra seus antigos escravizadores negros e muçulmanos, mas um ódio crescente contra os brancos ocidentais, e a idéia de exterminar por completo a raça branca começa a parecer bem razoável a muitos intelectuais e líderes negros na América.

Se não há algo de monstruosamente errado em tudo isso, não sei o que significa a palavra “errado”.

  • Guga Winter

    (1)De onde o ocidente herdou a cultura da escravidão?
    (2)De onde os povos da africa herdaram a cultura da escravidão?
    Alguém pode me ajudar com alguma bibliografia sobre o assunto?

  • Rafael

    Não importa que havia escravidão na África antes, o fato é que as potências da época também a utilizaram, o que por si só é um crime contra a humanidade, o fato também que o sistema escravocrata nas Américas deixou marcas até hoje, por isso a revolta, não foi a escravidão na África que configurou as Américas, foi a praticada aqui.

    • Rodrigo Stoll Sattes

      Como a origem ñ importa??? A escravidão encontrou o seu fim justamente no Ocidente, através de mãos brancas. Fato
      que julgo relevante!

      • Rafael

        Ai vc desconsidera a luta dos próprios negros pela emancipação, o fim da escravidão não foi uma benesse de brancos para negros, mas o resultado de uma árdua luta.

        • Leonardo Afonso

          Pra você o único problema era o ocidental escravizar o negro, o europeu escravizando o europeu não tem problema, o negro escravizando o negro não tem problema, o muçulmano escravizando o negro não tem problema?

          • Márcio Machado da Silva

            Leonardo, alerto que contrapor esse rafael é pura perda de tempo. Ele é um soldado petralha neurointoxicado pela ideologia assassina do socialismo/comunisno. E, como sabemos, depois dos 30, se o cara não deixou de ser socialista, a doença se torna incurável.

          • Leonardo Afonso

            Prezado Márcio concordo, realmente é perda de tempo. Os absurdos escritos por este indivíduo não tem sentido

          • Rafael

            É problema, só que eu nasci no Brasil, onde a escravidão negra por brancos europeus deixou marcas até hoje.

          • Paulão

            Então larga tudo o que tu supostamente faz na vida e vai cuidar dos negros que morrem diariamente nas favelas, vítimas de outros negros. Só não vá explorá-los sexualmente, tá?

          • Newton (ArkAngel)

            Não sabia que você era negro.

        • Edmar Fagundes

          Não sei como vocês têm paciência pra responder uma marmota dessa. Para esse poço de inteligência, se surgir a idéia de que cagar escuro é racismo, ele vai aceitar e criar um monte de argumentos pra isso.

      • Gustavo Costa de Oliveira

        é mais fácil perguntar primeiro para o Rafael o que pode ou não considerar, é o único jeito de ele nao fazer malabarismo

    • Leonardo Afonso

      Agora que eu li o absurdo que você escreveu: “Não importa que havia escravidão na África antes”, ou seja, pra você o africano podia escravizar a vontade outro africano, não há problema nenhum nisso? Que hipocrisia hein! Pra você Rafael negro pode escravizar negro, europeu pode escravizar europeu, muçulmano pode escravizar quem ele quiser e está tudo bem, o único problema é o ocidental escravizar o negro, só isso. Toda a escravidão é um absurdo! Não existe culpar o branco ocidental e inocentar os outros que também escravizaram

      • Rafael

        Difícil hein? A escravidão por si é um absurdo, mas na Europa isso foi exterminado, lá os descendentes de escravos tornaram-se cidadãos de fato e de direito, na América toda a escravidão dos negros mesmo com a abolição os relegou a um segundo plano na sociedade, sendo que as estruturas escravocratas até mesmo foram mantidas. Incrível o malabarismo que fazem para negar a estrutura racista do estado brasileiro e no resto das Américas.

        • Osvaldo Pereira Júnior

          Nunca presenciei em toda a minha vida uma única discriminação contra negros em qualquer lugar ao qual eu tenha ido.

          Discriminação é dizer que um negro só consegue algum objetivo na vida se for na base de cotas. Isso sim é considerar negros pessoas inferiores aos brancos.

          Vocês sim da esquerda é que são preconceituosos e discriminadores e os negros que consideram cotas uma boa é porque são preguiçosos e querem levar vantagem na vida frente a outras pessoas.

          • Newton (ArkAngel)

            Thomas Sowell disse:

            ” Tais líderes (aqueles que juram lutar em prol dos negros) possuem incentivos em demasia para promover atitudes e políticas polarizadoras que são contraproducentes para as minorias que eles juram defender e desastrosas para o país. Eles se utilizam das minorias para proveito próprio, atribuindo a elas incapacidades crônicas que supostamente só podem ser resolvidas por políticas que eles irão criar. Eles são os verdadeiros racistas.”

        • Leonardo Afonso

          Toda e qualquer forma de escravidão em qualquer parte do planeta, em qualquer época histórica é abominável. Não existe competição mundial onde a escravidão foi pior! Ah na Europa a escravidão foi menos pior do que no Brasil ou do que nos Eua. Isto não existe. Ou um branco escravizado no mundo muçulmano tem menor valor do que um negro escravizado nos Eua, no Brasil? É horrível em qualquer parte do mundo com qualquer ser humano.

        • Renato Lorenzoni Perim

          Isso aí, Rafael, continue postando suas imbecilidades aqui no site. Você é nosso bobo da corte, nos diverte muito.

          • Paulão

            Bobo da corte? Legal.
            Você descobriu a verdadeira função desse tal rafael.
            E eu achava que ele era um inútil total. Minganei.

          • Wellington Rossi Kramer

            Antes não costumava ler os comentários dos artigos. Agora já acho bem engraçado esse Rafael, fazendo ginástica com seus questionamentos. Como se chamam aquelem personagens de filmes que fazem palhaçadas?

        • Newton (ArkAngel)

          Os USA são o país que mais oprime os negros no mundo. O estranho é que nesse país extremamente nefasto pra os negros, Obama foi eleito e reeleito; a sociedade negra americana é a 15ª economia mundial, e artistas como Stevie Wonder, atores como Will Smith, sem contar com os jogadores de basquete, fizeram e ainda fazem fortuna. Até mesmo o filme E o vento levou é demonizado nos dias de hoje, acusado de ser uma produção racista. O irônico disto tudo é que o primeiro Oscar dado a uma atriz negra foi para Hattie McDaniel, pelo seu papel no filme…E o vento levou!
          Os negros aqui no Brasil devem dar graças a Deus por seus antepassados terem sido trazidos para o Brasil, ou por acaso alguém acha que estariam melhor na África? Acontece a mesma coisa com Cuba: os esquerdalhas vivem dizendo que lá é o paraíso, mas nas férias sempre vão para Miami ou para Paris.
          Deus escreve certo por linhas tortas.

          • Rafael

            Como vc fazia para passar vergonha antes da internet? A África é o que é em grande parte pelo colonialismo e exploração pelas grandes potências, assim como a América Latina.

          • Newton (ArkAngel)

            Austrália, USA, Canadá, todos estes países foram colônias e hoje são potências; já o Nepal, Etiópia, Libéria e Tibete nunca forma colônias. Essa desculpa do colonialismo não cola.
            Como eu fazia pra passar vergonha? Não imagino, mas se quisesse passar ridículo, certamente seria esquerdista.

        • Newton (ArkAngel)

          Rafael, responda sem tergiversar, apenas diga sim ou não:

          “Já que os escravos que foram trazidos ao Brasil eram capturados e vendidos aos portugueses por outros negros de tribos diferentes, você acha justo que os descendentes de tais negros que capturavam seus conterrâneos naquela época tenham os mesmos direitos que aqueles que foram capturados e vendidos? Sim ou não?

          • Rafael

            Sim. Vc já estudou o que foi feito aos negros após a abolição? Já parou para pensar nas estruturas racistas do Brasil? Não né. Vc vai seguir o que o Olavo falar sobre, sem refletir uma vírgula.

          • Newton (ArkAngel)

            Por que tais negros devem ter os mesmos direitos, já que fizeram parte do problema? E porque querem cobrar a tal da “dívida histórica” daqueles que nem de longe tiveram alguma coisa a ver com a escravidão? O que foi feito aos negros após a abolição? Não sei, me explique. Só sei que passaram a pegar mão de obra européia (portugueses, italianos, espanhóis). Como são as tais “estruturas racistas” aqui?

    • Gustavo Costa de Oliveira

      pelo que sei a escravidão estava abolida, servo da gleba era a posição mais inferior existente..
      daí vieram os invasores muçulmanos trazendo a escravidão de volta

    • Candangus2

      O que você disse não tem o menor sentido kkkkk. Primeiro porque não existiam incursões de brancos na África: eram os próprios negros de etnias rivais que faziam as incursões, escravizavam seus compatriotas e depois vendiam pros europeus. Ao contrário do que acontecia com os islamitas, por exemplo, que promoviam incursões no seio da europa pra capturar escravos brancos – principalmente escravAS brancas, e alimentar o tráfico sexual. Ou seja, culpar o branco, unicamente, pela escravidão dos negros americanos é HIPOCRISIA. Culpem também os negros africanos e os mulçumanos.

      • Percival Puggina

        Mas aí vc faz sumir todo o ânimo político desse moço cabeça de cebola, meu caro. O “humanismo” dele nada tem a ver com dignidade da pessoa humana, mas com insuflar animosidades e motivar militância, vendendo como coisa nobre o que é pura mesquinharia ideológica.

    • Paulão

      Pelo que você concorda, quem inventou a escravidão foram os povos negros da África, né? Eles, que escravizavam seus próprios irmãos de cor.
      Logo, escravidão é coisa de preto, e eu não tenho nada a ver com isso.
      Portanto, FORA COM AS COTAS RACIAIS!!!!

  • marcelo almeida

    Os esquerdopatas canalizam qualquer força insatisfeita para insuflar e atacar a estabilidade, a fim de desestabilizar a ordem social, com vistas ao seu projeto de poder dentro de uma nova ordem mundial.

  • Dagmara

    Em relação à desumanidade da escravidão, não me parece que é o que está em questão, o que aliás é indiscutível, mas sim a criação de um ressentimento artificial pelo passado, suscitando o ódio, e que soa tendencioso pela parcialidade na apuração dos fatos históricos. Devemos antes nos perguntar a que tipo de consequências tal posicionamento pretende nos conduzir.

    • Rafael

      A questão é que a história traz consequencias, que perduram no tempo.

      • Dagmara

        Tenho amigos negros que, obviamente, nunca me viram como branca opressora, pois têm consciência que simplesmente enfrentaram como eu, as várias dificuldades que a vida pode oferecer. Lutaram para estudar e trabalhar como qualquer um de nós, brasileiros, e sem pedir licença se realizaram profissionalmente. Isso porque são livres e não perdem tempo com ressentimentos que dizem que eles deveriam sentir, mas que, ao contrário, só os segregariam por uma qualidade que nunca viram como determinante na condução de suas vidas.

        • Rafael

          Ainn ela tem amigos negros?O que isso modifica o estado profundamente racista que é o Brasil?

          • Candangus2

            Profundamente racista. É, esses racistas que transam uns com os outros, produzindo a maioria mestiça é a prova de que aqui, branco não suporta negro. Porque é isso, agente transa com quem detesta e acha inferior. É mais gostoso. O Rafael deve transar com cachorros. Se pudesse, transaria com ratos.

          • Dagmara

            Não citei a minha amizade com pessoas negras com a pretensão de torná-la uma causa no combate ao racismo. Longe disso, a nossa amizade nasceu do respeito e admiração mútuas, onde a cor da pele não teve qualquer influência. Além disso, meus amigos negros, particularmente, nunca demonstraram interesse por assuntos de racismo. Pelo que sei eles não entendem que há “um estado profundamente racista no Brasil”, até porque se assim fôsse, não conseguiriam realizar tudo o que conseguiram e partilhar suas vidas com todos os brancos que formam a sua rede de relacionamentos. Não devemos tornar o racismo maior, em nome da manifestação de alguns idiotas isolados.

          • Rafael

            A senhora vive em uma bolha, em estado de negação, assim como seus amigos também devem viver se desconhecem o estado racista que é o Brasil.

            Não tome o todo pela parte:

            Veja esses dados:https://exame.abril.com.br/brasil/8-dados-que-mostram-o-abismo-social-entre-negros-e-brancos/

            O racismo no Brasil é estrutural, e racismo é a doença que a discriminação é o sintoma, não confunda um com o outro.

          • Dagmara

            Nao há confusão alguma, apenas não me agarro em conceitos e definições de qualquer coisa, que não confirmam a experiência real e direta com as pessoas. Meus amigos desconhecem essa tal estrutura racista, talvez porque a vida se apresente para eles de maneira divergente a tudo isso. Entendo que a bolha da alienação é para quem não tem olhos para ver a realidade dos fatos por medo de destruir um idealismo infantil.

      • Gustavo Costa de Oliveira

        principalmente quando essa perduração rende dividendos financeiros e políticos

    • Elvis Trivelin

      Dagmara, acho que nem eles sabem exatamente. Lembremos que uma das tônicas desses caras é criar divisões e mais divisões para enfraquecer os inimigos. Acho que o objetivo primeiro é esse. Não sei se o único, mas criando esse ambiente de guerra racial eles conseguem muitas coisas. É claro que eles jamais vão assumir que estão criando uma guerra. Qualquer ser com dois neurônios há de perceber que para acabar com o ‘pré-conceito’ ou um mal conceito formato por ignorância é necessário reforçar o que há de COMUM entre os diferentes, pois assim você aprende a ver as diferenças com outros olhos face ao todo. Reforçar diferenças por elas mesmas é o oposto disso. Já como questão de método a coisa é uma aberração lógica. Mas vamos ao que interessa: é graças a essas coisas que eles podem, por exemplo, acusar e eliminar opositores. Vejam os casos de Paulo Henrique Amorim e William Waak. O primeiro foi absolvido pela militância quando proferiu mensagens de teor racista implícito contra Heraldo Pereira. O segundo, foi rapidamente pulverizado sem que houvesse alguém para defendê-lo. Eles se aproveitam do seguinte – neste caso: nós dificilmente vamos nos organizar para defender um bandido, ainda que assumidamente conservador, liberal, etc. Eles, ao contrário, vão sempre relativizar o fato porque entendem o crime como um mero erro possível dentro de um processo maior, revolucionário, no qual o indivíduo, então, passa a ser visto por sua função no processo, não por um valor absoluto. Para o comunista, de fato, o racialismo não é um valor universal, é uma bandeira bastante oportuna que permite denunciar o capitalismo como um todo. Assim, se um dia eles conseguirem dar golpes sucessivos e derrubar governos, acho que usarão os engenheiros sociais para desacreditarem o racialismo. E como essa gente de militância é facilmente manobrada, o farão com facilidade.

      • Elvis Trivelin

        PS: eu já ia me esquecendo do caso Che Guevara – um rematadíssimo racista que, pelo seu papel na revolução, tinha todos os crimes ignorados pelos partidos comunistas do mundo todo. Até hoje é assim. Não faz muito tempo que a Gleisi Narizinho falou maravilhas do sujeito no encontro do FSP.
        O próprio “deus pai” deles, Marx, era outro, mas neste caso, os que o admitem, dizem que era pela ‘mentalidade limitada da época’. Certamente esse prisma não é o mesmo adotado com relação a Monteiro Lobato, por exemplo.
        Enfim, não estamos falando de sujeitos interessados numa Verdade clara, cristalina, impávida. Estamos falando de niilistas morais que tem apenas um objetivo opaco no horizonte (destruir o mundo como ele é). O que vão construir depois, eles vão definindo no decorrer do processo de destruição (desconstrução) de tudo o que se conhece e se imagina.
        Os militantes apenas são histerizados no processo (tornados histéricos) e são manobrados pelo irracionalismo. Eles aprendem a odiar e, se possível, matar e morrer pelo que absorveram ainda crianças.
        Quanto a Soros e outros metacapitalistas, eles vêem vantagem nessas bandeiras e acreditam que seu dinheiro irá moldar o futuro – e um futuro no qual eles estão entre a classe dirigente. Um futuro que querem eterno.

    • Rafael

      Errado, isso é conversa, o racismo é estrutural, denunciar isso não é acirrar ódio, ao contrário, é combatê-lo.

      • Paulão

        E o que é que tu, e os lázaros e thaises da vida fácil, têm a ver com o que eu odeio ou deixo de odiar.
        Pelo menos até a hora em que eu ficar de saco cheio e der um pipoco na cabeça de quem eu odeio, ninguém tem nada a ver com o que eu acho do que e de quem quer que seja.
        Vão pastar, vagabundos metidos a vítimas raciais!!!!

    • Newton (ArkAngel)

      Isso se chama oportunismo. Muitas vezes, são pessoas brancas que estão por trás desse tipo de coisa, usando os negros como massa de manobra.

  • Osvaldo Pereira Júnior

    Toda pessoa estudiosa séria sabe que a escravidão começou na África e no mundo islãmico.

    O problema é que a esquerda utiliza o vitimismo dos negros contra os brancos para criar uma ruptura social. A velha estratégia de dividir para conquistar.

    Qualquer negro que vier com conversinha fiada dizendo que os negros foram vítimas de escravidão e blá-,blá,blá esfreguem na cara dele esse livro indicado pelo próprio professor Olavo de Carvalho em um de seus programas True Outspeak “White Slaves, African Masters: An Anthology of American Barbary Captivity Narratives.

    Esse vitimismo sem vergonha já deu.

    • Julio Cesar Gutierrez

      Só um reparo, Osvaldo: A escravidão não começou na África e no mundo islâmico. Não houve povo ou tribo na história que não tenha escravizado ou sido escravo. No mundo antigo a escravidão era aceita por todos. O indivíduo podia ser escravo se fosse presa de guerra, comprado entre as tribos estrangeiras, ou no caso de um membro do próprio povo, se se tornasse devedor. De tempos em tempos, algum legislador do mundo antigo, Solon em Atenas por exemplo, aprovava alguma legislação para libertar os escravos por dívida. Vemos outro exemplo disso em Levítico 25, 39 a 55. Mas a noção de alforria era só para os membros do próprio povo escravizados. O estrangeiro escravizado não podia ser remido.

      • Julio Cesar Gutierrez

        Um dos motivos pelo qual a escravidão declinou na Idade Média foi porque, sendo o cristianismo uma religião universal, a ideia de fraternidade e de direitos humanos ampliou-se. Nenhum cristão podia ser escravizado, mesmo que fosse herege. Podia sofrer punição por heresia, mas não perdia a liberdade. Na alta idade média, os eslavos, louros de olhos azuis, ainda pagãos, estavam sujeitos à escravidão por povos cristãos (cavaleiros teutões, bizantinos, etc). Mas tão logo aceitaram o batismo, pela Igreja Católica ou pela Ortodoxa Russa, não puderam mais ser escravizados. Um negro etíope, cristão copta, estava na mesma situação. Os muçulmanos procediam de maneira análoga. Só os negros africanos pagãos é que podiam ser arrematados como escravos.

        • Julio Cesar Gutierrez

          Parece, inclusive, que essa universalidade, na Idade Média, se estendia até certo ponto, aos chamados “povos do Livro”. Cristãos, muçulmanos e judeus, nutriam antipatias recíprocas e procuravam dificultar a vida uns dos outros, mas, em geral, se reconheciam como detentores de direitos humanos, ainda que restritos. Os muçulmanos, quando conquistaram o Levante ou a Espanha, toleravam aos cristãos e judeus a prática de sua religião sob a cobrança de tributos. Comunidades judaicas sempre existiram na Europa e embora os judeus estivessem sujeitos a muitas restrições (não podiam ocupar cargos públicos, confinamento em guettos, etc), nunca ocorreu a nenhum rei ou papa que, pelo simples fato de serem judeus, eles deveriam ser escravos. Os reinos cristãos da Espanha, em princípio, concederam alguns direitos aos judeus e aos muçulmanos derrotados. A partir de 1492, tiveram que optar entre o batismo ou a expulsão, nunca a escravidão.

          • Julio Cesar Gutierrez

            Para finalizar, a escravidão moderna (Séculos XV a XIX), recaiu sobre os negros africanos ao sul do Saara simplesmente pela circunstância histórica de que, ao se iniciar a Idade Moderna, com as grandes navegações de descobrimentos, eram eles os povos mais próximos das Américas e do Norte da África e do Levante que a praticavam (inclusive vendiam cativos de guerra e devedores do povo aos traficantes europeus e muçulmanos) e eram os que podiam ser escravizados de acordo com o “direito das gentes” que vigorava no mundo cristão e muçulmano.

          • Paulão

            Obrigado pela aula.
            Espero que muitos vitimistas aprendam essas verdades, e parem de mimimis na “mídia”.

      • Osvaldo Pereira Júnior

        A escravidão começou na África já que as primeiras tribos humanas que se tem notícia surgiram lá.

      • Gustavo Abijah

        Julio Cezar, Concordo com sua analise, e de minha parte acrescento, que ao invés de usar o termo “branco”, fosse usado europeu, pois tanto europeus como árabes muçulmanos são caucasóides (brancos). Sendo o uso do termo branco tal qual usado popularmente nos Estados Unidos, como sinônimo de nórdico, e excluindo os demais grupos caucasóides, uma classificação que beira a definição ariana nazista.

    • Marcos Aurélio Geraldino

      Eu acho que mesmo estudando com o Olavo de Carvalho. Você não alcança o entendimento real da questão. Em um livro vendido pela escola de filosofia. Que fala sobre os quilombolas está bem relatado que foi Fernando Enrique, que começou a dividir a população Brasileira nesta direção. Não foi os negros que criaram o tal do vitimismo. Mas os próprios brancos para se utilizarem dos negros para benefício próprio. Leia mais, estude mais. Pois a burrice de alguns é maior do que a de outros!

  • Luiz F Moran

    No Egito antigo, na Grécia antiga, na África, nos vários Impérios do passado e no Islam (até hoje inclusive), sem exceção alguma, a escravidão sempre esteve presente como um elemento cultural e naturalmente aceito… mas são os homens brancos, héteros, greco-romanos de olhos claros os únicos filhos da puta na história.

  • Netiu Antnet

    Mestre Olavo, sugere uns livros para os brasileiros e principalmente os “ativistas raciais” se informarem do assunto. Por favor mestre, sugira obras em português!

  • Marcos Pereira

    Um dia entenderemos o motivo que embasa o Projeto Divino de Evolução planetário. Apenas afirmo o óbvio: É inescapável e inevitavelmente fundado nas DIFERENÇAS INDIVIDUAIS NATAS. Mesmo a mentes mais sábias tem dificuldades de entender essa REALIDADE. Afirmam alguns desses sábios que na própria natureza das diferenças está implícito um contínuo e lento aprendizado para o exercício da tolerância e do altruísmo. Percebemos essa características em nós mesmos: Uns mais tolerantes outros menos. Mas vejam que tratam-se de atitudes e reações predominantemente PESSOAIS, INDIVIDUAIS. Portanto admitir uma certa estruturação em qualquer tipo de comportamento é típico de mentes fracas, histéricas que vez ou outra caem nas armadilhas dos, digamos, ESTRUTURALISTAS DO MAL. Um tipo de gente maléfica, mesmo demoníaca que se comprazem em levar grupo de indivíduos, mesmo uma sociedade para os precipícios infernais. Via de regra, comunistas em particular e o movimento revolucionário são ” experts” no assunto. É o tal do dividir para….destruir. Destruir o convívio social, relacionamentos ….vidas. Devemos envidar todos os nossos esforços para não cairmos nessas armadilhas, seduzidos por palavras fáceis ou chavões. A melhor arma contra isso é o conhecimento da história real, nua e crua e termos consciência da existência das raças de cor: Sete ao todo, seguindo as cores do Arco iris, elas em si, como afirmei:

  • Marcos Pereira

    Teclei “enter” sem querer…terminando…..UM PROJETO DIVINO.

  • Cristiano Silva Santos

    Maometanos tártaros promoviam grandes caçadas de pessoas brancas, especialmente eslavas (mas também alemãs e romenas), para fins de escravização e venda a outros povos túrquicos e árabes do Império Otomano, onde muitos serviriam como eunucos. A última grande “colheita” de brancos para escravização pelos tártaros ocorreu em fins do Século XVIII, quando os britânicos e outros europeus já combatiam a escravidão em seus territórios.

  • Smaile Clever de Oliveira

    Resumo do texto: a escravatura, longe de ser uma invencionice dos brancos ocidentais, já existia há dois milênios entre os PRÓPRIOS NEGROS no continente africano e, há pelo menos um milênio, entre os árabes mulçumanos. Moral da hisória: o ódio dos “excluídos negros” cresce pelos seus libertários brancos do ocidente à medida que seu flerte pelos seguidores do Islã aumenta! Não é mesmo o cúmulo do absurdo?

  • Wellington Rossi Kramer

    Só sei dizer que nunca escravizei ninguém e também não conheço nenhum negro que tenha sido escravo.