1. Cultura

Lembrete de Natal 2017

26 de dezembro de 2017 - 18:07:28

De cem a cento e cinquenta mil cristãos continuam sendo assassinados anualmente em países islâmicos e comunistas, e número aproximadamente igual sofre toda sorte de humilhações, boicotes e constrangimentos nas democracias ocidentais. Aí a retórica anticristã da mídia, das universidades e dos organismos internacionais torna-se cada vez mais ostensiva e desinibida, denotando uma intenção clara de passar, em breve, do genocídio moral e cultural ao assassinato em massa.

Ser cristão tornou-se tão perigoso que já não concebo outra saudação de Natal para enviar aos meus amigos e leitores senão a boa e velha advertência de que não nascemos para este mundo, mas para a vida eterna. Foi não apenas para trazer, mas para cumprir esse aviso que Nosso Senhor veio ao mundo e morreu por nós. Seu Nascimento não faria sentido nenhum sem a Sua Morte, e Sua Morte sem a Ressurreição. Também a Ressurreição não faria sentido se não tivesse deixado outro sinal na Terra senão a lembrança na mente de umas poucas testemunhas, dois milênios atrás. Mas as marcas da presença de Jesus no mundo são tantas e tão constantes que a única maneira de ignorá-las é desviar os olhares e tapar os ouvidos. Sempre vejo algum humorismo involuntário quando me falam na “fé em milagres”. Um milagre, por definição, acontece no mundo físico e é percebido com os cinco sentidos, sem nenhum apelo ao auxílio sobrenatural da fé. Afinal, o paralítico andou ou apenas acreditou que andou? O cego enxergou ou apenas pensou, com muita fé, que enxergava? Lázaro ressuscitou ou apenas, no fundo do túmulo, acreditava erroneamente estar vivo?

Também me parece que, se em vez de fazer o Sol dançar diante dos olhos de todos, Nossa Senhora tivesse, num estalar de dedos, instantaneamente, feito apenas oitenta mil pessoas acreditarem nisso sem ver nada, teria sido um milagre mais extraordinário ainda.

Só há um meio de negar os milagres: é negar-se a olhar os fatos, é trocá-los por pensamentos. É trocar, como diria o Bruno Tolentino, o “mundo como rapto” pelo “mundo como idéia”. Infelizmente, noventa por cento dos filósofos não fazem outra coisa.

Tanto quanto os milagres, o mal e horror do mundo nos falam, e o que dizem é a mesma coisa: não somos daqui, somos da eternidade.

Que nenhum de vocês se esqueça disso são os meus mais sinceros votos de Feliz Natal neste ano de 2017.

 

 

  • marcelo almeida

    Fé é tudo aquilo que você espera.
    Hebreus – Capítulo 11
    1 Ora, a fé é a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não vêem.

  • marcelo almeida

    Não por outro motivo, a vida te ataca sempre com os seus piores medos…

  • Walace Freitas

    Muito bom Olavo. Obrigado. Não querendo comparar, mas tua mensagem fala muito mais vivamente do que a do Papa. Infelizmente estamos num declínio católico. Mas faz parte da história, parte do nosso ‘hoje’. Pouquíssimos restarão, a grande massa está para vacilar. Mas Deus é misericórdia e terá compaixão de todos nós. Eleitos para a vida eterna.

  • Osvaldo Pereira Júnior

    Ser católico hoje está se tornando algo semelhante aos olhos de certos grupinhos descolados no que foi ser um bandido a 40 ou 50 anos atrás. Se não houver uma reviravolta cultural nas próximas décadas a porcentagem de católicos será de apenas 20% até 2050. Mantendo esse ritmo de declínio será de apenas 10% em 2100.

    Em dois ou três séculos o catolicismo no ocidente estará praticamente que extinto, se tornando assim uma religião de porão seguida apenas por gente “retrógrada” e “medieval”.

    A igreja não pode cometer um novo erro de colocar outros Papas como o Francisco. Bergóglio é a personificação da decadência católica no Mundo. É a imagem da rendição da igreja frente a nova ordem mundial.

    • Newton (ArkAngel)

      Esse demônio do Bergoglio se revolta quando os muçulmanos são atacados, tudo em nome da tolerância. Tolerância essa que os mesmos muçulmanos não têm para com os cristãos. E o papa se cala.