1. EUA

The Enemies Within, novo curso, arrependimento e consciência, etc.

13 de setembro de 2016 - 19:27:17

tlew Assisti hoje à première local do filme do Trevor Loudon, “The Enemies Within”, baseado no seu livro homônimo. É com certeza o documentário mais importante já produzido sobre o poder avassalador do movimento comunista americano nas últimas décadas. É impossível assistir a esse filme sem entender que (1) Há muito tempo não existe mais “esquerda democrática” nos EUA, só comunistas e agentes islâmicos; (2) eles detêm o controle hegemônico de setores vitais da política americana; (3) seu poder é tão descomunal que qualquer alto funcionário do FBI ou da NSA que se aventure a investigá-los corre grave risco de perder o emprego, enquanto suas descobertas são simplesmente apagadas dos arquivos. Trevor Loudon é um jornalista neozelandês, que, após ter investigado a fundo a hegemonia comunista no seu país, se interessou por investigações análogas na política americana e se tornou, de longe, o maior conhecedor do assunto no mundo. Mais informações em
http://enemieswithinmovie.com/enemies-within/. *

Curso Guerra Cultural – História e Estratégia

As inscrições já estão abertas. Elas vão até domingo e depois disso não serão aceitos mais alunos. Não há previsão de que esse curso seja oferecido no Seminário de Filosofia outra vez. É praticamente uma oportunidade única. Não perca tempo. Inscreva-se.
http://www.seminariodefilosofia.org/guerra-cultural-inscricoes/ * “O direito, o bem, travam uma luta eterna. Jamais seu inimigo sucumbirá. Se não o sufocas, privando-o de ar, sempre a força dele crescerá de novo sobre a terra.” (Schiller) * “Se alguém te louva por virtudes que não tens, acabará te acusando de vícios que também não tens.” (Provérbio árabe) * QUEM se arrepende perante Deus? Os seus sentimentos? O seu “eu” cotidiano que compra, vende, come, bebe e tagarela? A sua maldita auto-imagem manchada de vergonhas? Não. Quem se arrepende perante Deus é o topo do seu ser, a sua parte mais elevada e altiva, o núcleo mais luminoso da sua autoconsciência. Se não é daí que vem o arrependimento, não é arrependimento, é só vergonha de estar nu. O arrependimento verdadeiro não se refere a nenhum dos seus miseráveis pecadinhos cotidianos, grandes ou pequenos, mas à suprema e única tentação, da qual nascem todas as outras por reflexo longínquo: a tentação de sentir-se uma entidade espiritual autônoma, sem raiz no eterno. É imaginar que você tem um “eu” como direito adquirido de uma vez por todas, quando na verdade sem a permanente ação do Espírito Santo o seu eu se estilhaça em mil euzinhos dos quais um peca, o outro se amaldiçoa, o terceiro se camufla, e assim por diante. Se ainda há na sua alma porções opacas, mesmo o seu arrependimento mais dolorido não passará jamais de um símbolo, de uma cena de teatro. Só aquele que se conhece, que domina o panorama da sua alma desde o topo da sua autoconsciência pode saber o que é o arrependimento verdadeiro, e esse arrependimento é total e instantâneo, é uma graça indescritível, que muitos só alcançam na hora da morte mas que às vezes, por uma espécie de graça em segunda potência, se torna acessível em vida. E não vá imaginando, no seu orgulho sonso, que alcançar essa graça fará de você um santo. O santo não é aquele que alcançou o arrependimento espiritual verdadeiro: é aquele que PERMANECE nele em cada momento da sua vida e dele faz a fonte de cada um dos seus atos — uma graça em terceira potência, algo que é praticamente impossível, mas que acontece. * PONTO FINAL. Ter um “eu” autoconsciente é reconhecer que ele não se criou a si mesmo, e saber disso é ter inevitavelmente um sentimento de dependência e débito para com alguma fonte ou origem que nos abarca e trascende infinitamente; sentimento que é por si, necessariamente, uma forma de reverência e culto. Aquele que entende a existência do seu eu autoconsciente como resultado de alguma combinatória material desprovida de autoconsciência vota, pois, a essa inconsciência o culto devido à origem da autoconsciência, e ante ela se prosterna em temor e adoração reverencial. Se, ao contrário, na origem da nossa autoconsciência vislumbramos uma entidade espiritual supraconsciente — a “noesis noeseos” de Aristóteles –, é a ela que voltamos a nossa reverência, a nossa gratidão e o nosso culto. Por mais subterfúgios pedantes que se inventem, não existe, portanto, “agnosticismo”: só existem o culto da inconsciência e o da supraconsciência, o culto das trevas e o culto da luz. “Tertium non datur.” * DEPOIS de escrever o “Ponto Final”, lembrei-me de que em Genesis 2:7 fica muito claro que Deus criou o corpo e a autoconsciência do homem por meios diferentes e com materiais diferentes: aquele, com o barro; esta, com o Seu sopro. Alguns entendem que o sopro era simplesmente “a vida”, mas isto não pode ser, pois antes de Adão Deus já havia criado a vida animal e não é concebível que Adão, como animal, fosse criado desprovido dela. O sopro insufla no homem algo que transcende infinitamente a esfera da vida animal: insufla-lhe o poder da autoconsciência, a capacidade de dizer “eu”, que faz dele uma imagem microcósmica do “Eu Sou”. Não faço jamais “interpretação bíblica”, pois de fato é mais natural e fácil para o homem entender primeiro a sua experiência concreta e só depois algo da Palavra de Deus, já que esta antecede a criação da realidade cósmica e, como ensinava Aristóteles, o primeiro na ordem do ser é o último na ordem do conhecer. Primeiro descubro as coisas pelo exame da experiência, depois leio a Bíblia em busca de alguma dica que me esclareça melhor o que descobri. Sempre encontro. * Um desses palpiteiros disse aí em baixo que a autoconsciência só apareceu com a tentação e a queda. É uma vulgaridade gnóstica infindavelmente repetida, que, no fundo denota apenas incapacidade de leitura. De um lado, como poderia Adão, desprovido da consciência do seu próprio “eu” dar nomes aos animais sem confundir-se com eles? De outro lado, é óbvio que o pecado tal como descrito no Gênesis não instaura a autoconsciência, mas a divide: o eu se identifica com o que não é ele e é imediatamente jogado contra si mesmo. Confundir a autoconsciência com a consciência culpada é reduzir o todo à parte, é pensamento metonímico quatro cruzes. * A maior causa de mortes nos EUA são aquelas camisolinhas de hospital. Vestiu aquela merda, está morto. * Se pelo menos as malditas camisolas não tivessem florzinhas, a taxa de mortalidade diminuiria nuns trinta por cento. * Muitas mulheres têm medo de homens e por isso sentem a necessidade de fragilizá-los, efeminando-os quando pequenos e infantilizando-os depois de adultos. Dar poder a esse tipo de mulheres, entre as quais se arregimenta boa parte da militância feminista, foi um crime contra a espécie humana. * Numa certa época da minha infância, minha mãe, reduzida à penúria, teve de trabalhar fora e me enviou para a casa de uma tia, pessoa que, apesar de suas múltiplas qualidades, que nunca deixei de apreciar, era eminentemente uma castradora e fragilizadora de homens. Não agüentei. Fugi e fui ficar na merda com a minha doce e gentil mamãe, feliz da vida. * Pode-se descrever uma filosofia como um sistema, uma estrutura, uma ordem interna, fazendo abstração da sua veracidade ou falsidade, isto é, confontando-a no máximo com o “seu tempo”, com a atmosfera histórico-cultural da qual emergiu, e abstendo-nos de compará-la com o mundo da NOSSA experiência e da experiência humana em geral. Muitos acham que ISSO é compreendê-la. Mas existe genuína compreensão em ignorar a veracidade ou falsidade de pensamentos cujo propósito central e único era a busca da verdade? Isso resulta apenas na estetização da filosofia, na contemplação das filosofias como puras obras de arte imaginativa. Mas mesmo as obras de arte imaginativa têm alguma veracidade ou falsidade fora das quais não fazem nenhum sentido. * A absorção do sistema ou estrutura é apenas o primeiro passo preliminar da compreensão de uma filosofia. A compreensão genuína só se dá quando a sua veracidade, separada dos seus erros e dos seus acidentes de construção, se incorpora na nossa alma como um traço adquirido da nossa personalidade intelectual. * Um putinista — ou putista — anda sugerindo que um dos meus objetivos na vida é o extermínio dos evangélicos americanos. Eu sempre disse que esse negócio de chupar pica termina afetando o cérebro. * Palestra proferida para os estudantes da Universidade Federal do Maranhão em 5 de agosto de 2016, enquanto fora do antiteatro, ilustrando didaticamente o contraste entre dois Brasis, a esquerdalha promovia uma festança com álcool e maconha, que terminou em homicídio. Errata: Não é Paul Johnson. É Paul Kennedy. Infelizmente, as percepções intuitivas mais vivas e diretas só podem ser expostas em linguagem poética, que é nebulosa, ou em linguagem lógica, que os idiotas tomarão como simples demonstração dedutiva e diluirão em mil discussões cretinas. A marca inconfundível da total inépcia filosófica é a incapacidade de distinguir entre um raciocínio lógico e a transposição lógica de uma experiência intuitiva. Essa incapacidade, às vezes, dá uma tremenda impressão de intelecto sofisticado. * O Christovam Buarque nasceu véio gagá e com o tempo foi ficando pueril.
https://www.facebook.com/carvalho.olavo/
http://olavodecarvalho.org
http://seminariodefilosofia.org
http://therealtalk.org