1. Religião

Os guénonianos de Vila Nhocunhé

11 de julho de 2017 - 5:22:44

Os guénonianos de Vila Nhocunhé se metem a ler teologia apofática (negativa) e em cada negação de um atributo divino enxergam, em vez de uma limitação da linguagem humana, uma qualidade efetiva de Deus. A Bíblia bem recomenda que ninguém se meta a sondar coisas que estão acima da sua capacidade.

O problema que agora mesmo eu estava resumindo é: Se tudo o que emana do Absoluto é só ilusão, Ele nada pode produzir de permanente, nada pode produzir senão ilusões e é, nesse sentido, absolutamente impotente e inócuo no sentido mais rigoroso da palavra.

Se a teologia apofática devesse ser entendida literalmente, Deus não teria dito a Moisés “Eu sou o Eu Sou” e sim “Eu sou o Não-Sou”.

Se o estado individual humano fosse apenas uma etapa provisória, Deus feito homem seria também provisório, e em vez de estar à direita de Deus Pai já teria sumido faz tempo.

Quer fazer sucesso em Vila Nhocunhé? Faça um blog citando todos os autores sobre os quais você leu no Olavo de Carvalho, mas não o próprio Olavo de Carvalho.

Não é por nada não, mas raramente encontrei pessoas tão sofisticadamente falsas e mentirosas como nos meios ditos “perenialistas”.

  • Odilon Rocha

    Deus é o Absoluto em todas as virtudes. Se não, não seria Deus. Nada antes nem depois de Deus, pois o que é eterno não tem começo nem fim.
    Sempre há vida em todos os sentidos. Material e imaterial. Os espíritos (e esse é o maior dos mistérios, o porquê Deus os criou) passam por várias experiências na matéria (envolvidos em um corpo que o aprisiona o suficiente para a aprendizagem necessária), até não precisar mais.
    Sócrates sabia disso.