1. Religião

Perdão de Deus

7 de julho de 2017 - 23:50:24

Jesus ensinou a rezar: “Perdoa as nossas dívidas ASSIM COMO perdoamos os nossos devedores” e ainda esclareceu: “Com o mesmo critério com que julgardes sereis julgados”. A conclusão é ÓBVIA: ou você aprende a perdoar, ou quanto mais estrita seja a sua obediência a todas as demais regras daquilo que você entende por “moral cristã”, tanto mais elas servirão para endurecer o critério com que você será julgado e muito provavelmente condenado.
Nossa ÚNICA saída neste vale de lágrimas é perdoar sempre, perdoar tudo, perdoar de todo o coração.
Para ser sincero, só encontrei na vida uns três ou quatro cristãos que compreendessem isso.

Só quem desenvolveu o hábito do perdão é capaz, quando peca, de ter arrependimento doce, humilde, esperançoso e sem amargura que, segundo entendo, é tão agradável a Deus quanto a volta do Filho Pródigo.

N. B. – Tudo isso são apenas impressões que obtive da experiência pessoal. Nada vem com a autoridade de um ensinamento teológico.

A idéia de um Deus que perdoa ou condena quando bem lhe dá na telha é islâmica, não cristã. Deus comprometeu-se a respeitar o perdão sacramental até o fim dos tempos, e nada O fará mudar de idéia. Ele pode estender o perdão a pessoas que não receberam a absolvição sacramental, mas não tirá-lo dos que a receberam.

O purgatório é uma forma de temporalidade, portanto nada tem a ver com o que estou dizendo aqui.

Também é erradíssimo imaginar que Deus só perdoa quem merece. NINGUÉM merece. Ele perdoa quem pede.

Se houvesse um resíduo de pecado na bem-aventurança eterna, das duas uma: ou o pecador não se arrependeu, ou se arrependeu. No primeiro caso, o céu foi invadido pelo mal; no segundo, pela tristeza. As duas hipóteses contradizem o conceito mesmo da bem-aventurança. Fim de papo.

Por que a idéia da abolição do pecado na vida eterna perturba algumas pessoas? Deveriam preocupar-se é com a continuidade do pecado, isto é, com o inferno.

É um erro monstruoso imaginar que Deus só perdoa quem Ele quer. Ele quer perdoar TODOS. Só que alguns não pedem. Nem querem.

  • João Marcos Baccarin

    Professor, saudações!
    Ao ler seu texto, me lembrei da cosmovisão que um pastor da igreja que frequento possui: segundo ele, o Deus de Abraão, Isaque e Jacó não é o mesmo que Jesus Cristo, pois o Deus do A.T. é o Deus da Guerra e o Deus Jesus é o Deus do Amor. Contudo, sabendo que Deus é a Trindade, não consigo entender esse ponto de vista, já que o Deus do A.T. também perdoava e é Amor; Ele castiga, mas sua misericórdia triunfa sobre a justiça. Além disso, na Bíblia fala que Deus é imutável. Peço sua ajuda para conseguir bater de frente com esse argumento – que para mim é sem pé nem cabeça!

    Abraços!